PT | EN | ES

Desde novembro de 2012, brasileiras interessadas nas questões da sustentabilidade formaram a Rede de Mulheres Brasileiras Líderes pela Sustentabilidade, uma iniciativa do Ministério do Meio Ambiente. A Rede atrai e mobiliza lideranças femininas que atuam em instituições públicas, empresas privadas, multilaterais, organizações governamentais e não governamentais, e tem como principal objetivo estimular ações de sustentabilidade. 

Ao ser criada, a Rede formulou um conjunto de ações ou programas a partir de três agendas principais: (1) empoderamento das mulheres (em consonância com os objetivos da ONU Mulheres), visando promover lideranças femininas em cargos estratégicos nas estruturas de poder público e privado, no recorte estruturante da sustentabilidade; (2) empreendedorismo verde ou negócios sustentáveis, para fomentar a capacidade empreendedora em negócios sustentáveis dentro do marco institucional da economia verde inclusiva; e (3) a necessidade de promover novos padrões de consumo, especialmente nas classes médias urbanas.
 
O papel das mulheres na promoção de valores em prol da sustentabilidade
Tanto o capítulo sobre Desenvolvimento Sustentável do II Plano Nacional de Políticas para as Mulheres  quanto a Conferência Rio + 20 indicaram que as mulheres podem e devem desempenhar um papel importante na promoção de valores e comportamentos em prol  da sustentabilidade. 
 
“Nós mulheres somos 52,7% da população em idade ativa e o segmento com mais estudo. Nenhum projeto de desenvolvimento, de crescimento sustentado e sustentável pode prescindir desse imenso ativo”, dizem as integrantes da Rede na Plataforma 20, documento que reúne as expectativas e metas do grupo (Acesse a Plataforma 20 aqui).
 
“Para nós não basta que as mulheres sejam incluídas no círculo do consumo, é preciso consumir com qualidade. Para nós não basta as mulheres empreenderem mais negócios, se eles forem precários, predadores do meio ambiente e não são saudáveis. Para nós não basta as mulheres ascenderem aos altos cargos das empresas públicas e privadas se nestas posições elas não se constituírem em líderes da sustentabilidade”, explicam.
 
Amalia Fischer, fundadora e coordenadora geral do Fundo ELAS, também integra a Rede de Mulheres Brasileiras Líderes pela Sustentabilidade, que conta atualmente com 368 mulheres.
 
Rede de Mulheres Brasileiras na COP21
 
A Rede de Mulheres Brasileiras Líderes pela Sustentabilidade se prepara para lançar iniciativa de incentivo às energias renováveis em território nacional. O grupo vai propor a instalação de pelo menos 1 milhão de painéis solares em escolas, universidades, ONGs e empresas do setor público e privado de todo o país – proposta que será apresentada, na 21ª Conferência do Clima da ONU (COP 21), que acontece em Paris até o dia 11 de dezembro. O evento, com presença confirmada de 147 chefes de estado e de governo, deve culminar na assinatura de um novo acordo para com

Translate »